Ministério da Cultura
Cultura

Cooperação com a Espanha no domínio da Cultura

A ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva, considerou, segunda-feira, 12 de Agosto, em Luanda, que a acção de formação de bibliotecários nacionais reflecte o reforço do protocolo geral de cooperação entre Angola e Espanha no domínio da cultura.

A acção formativa vai decorrer até 12 de Setembro, tendo como orientadora a especialista espanhola Andrea Sala Jimenez.

Segundo a ministra, que discursava no acto de abertura, este evento relança a cooperação, por tocar uma área muito sensível da actividade cultural: que são as bibliotecas.

A referida acção, disse, vai reforçar a capacidade técnica dos funcionários para que possam tratar do acervo, por um lado, e permitir que qualquer cidadão tenha acesso às instituições bibliotecárias, podendo consultar e aumentar os seus conhecimentos.

“Temos de estar a altura das exigências dos leitores e só assim podemos garantir que estamos a cumprir o que está determinado na lei, que são as grandes tarefas do Executivo para o crescimento e para o desenvolvimento da sociedade”, referiu.

Rosa Cruz e Silva fez saber que a Biblioteca Nacional vai continuar a trabalhar para aumentar o gosto pela leitura e o amor pelo livro, que reflectirá naquilo que se espera para o país que quer caminhar para o progresso.

A Biblioteca Nacional, revelou a ministra, pela sua existência desde o século XIX, tem um acervo bibliográfico muito importante e bom. “Depois da independência trabalhou-se para ampliar e ter uma rede de bibliotecas no país, que desde 2011 tornou-se mais real, com a aprovação do decreto presidencial número 270/11 que aprova o estatuto da rede de bibliotecas”, reforçou.

É justamente na sequência da aprovação deste diploma, acrescentou Rosa Cruz e Silva, que aumentaram as responsabilidades da Biblioteca Nacional.

“Todos os dias surgem infraestruturas nas províncias, nos municípios e até nas comunas, para acompanharmos esse ritmo temos de estar suficientemente preparados para prestar o serviço público de transmitir informação com a vasta gama de livros que as bibliotecas possuem”, referiu.

Apesar de reconhecer que algumas não tem ainda o acervo desejado, a ministra revelou que estas dependem do apoio de algumas instituições como a embaixada de Espanha.

“Estão criadas as condições na biblioteca para aquisição de bibliografia sobre Angola, não só a produzida no país como no exterior, o que quer dizer que já podemos adquirir tudo quanto é conhecimento relacionado com o nosso país, com o resto do mundo, com a ciência, com as tecnologias de informação, entre outros”, frisou.

Por sua vez, a embaixadora de Espanha em Angola, Júlia Romeo, disse que a cooperação deve ser aproveitada ao máximo essencial no que diz respeito às tecnologias, acrescentando ser firme o compromisso de Espanha em apoiar o Governo Angolano nas políticas de divulgação da cultura.

No âmbito da sua atribuição, a Biblioteca Nacional de Angola está a realizar o curso de capacitação de formação, com a duração de um mês, a ser ministrado pela bibliotecária de nacionalidade espanhola, Andrea Sala Jimenez.

Participam cerca de 50 técnicos de várias instituições públicas do país ( centros de documentação de vários departamentos ministeriais, bibliotecas públicas, arquivos).